comportamento, noticias

Gangue estupra homens em Ribeirão Preto – SP

108 259436

Ribeirão Preto, no interior de SP, tem registrado mais de 40 casos de estupros de homens por uma quadrilha em menos de 2 meses. A maioria deles na Zona Sul da cidade.

Estima-se que o número possa ser ainda maior, pois algumas vítimas se sentem constrangidas de fazer Boletim de Ocorrência.

Algumas imagens de câmeras de segurança mostram que são sempre os mesmos 3 homens, de estatura alta, bem fortes, um deles armado. Eles abordam e rendem a vítima, que é levada para um lugar ermo onde é estuprada.

policia-civil-procura-tres-assaltantes-g-29082015-105449Depoimentos relatam quase sempre o mesmo roteiro de ação. Enquanto dois dos estupradores seguram a vítima, o outro o deixa nu e força o sexo anal. Muitas vezes causando ferimentos ao homem. Algumas vítimas relataram que também foram obrigadas a fazer sexo oral nos bandidos.

Contactamos uma das vítimas que aceitou nos dar entrevista sem ser identificado: “Eu estava correndo como sempre corro de tarde pelo bairro. Eles apareceram do nada, com uma arma na minha cintura. Imaginei roubo, sequestro, ou qualquer outra coisa, mas jamais pensaria que seria estuprado. Me levaram em um terreno com mato alto (…) Por mais força que eu tivesse, era impossível sair dali. Eles me colocaram de costas no chão, um deles ajoelhou sobre minha nuca, prendendo meus braços com os joelhos, enquanto o outro segurava uma das minhas pernas pro lado para o terceiro realizar o ato” diz. Ele ficou cerca de 30 minutos em poder dos estupradores.

Depois do ato, pediu ajuda a um carro que passava e foi levado a UE do Hospital das Clínicas, onde teve que fazer curativos no anus e mobilizar o braço que foi deslocado com o peso de um dos estupradores.

111

A polícia ainda não tem informações sobre os suspeitos, mas sabe que é sempre a mesma quadrilha, e que ataca homens de 20 a 35 anos, de noite, em horários distintos. Foram relatados 28 casos na Zona Sul de Ribeirão Preto, 12 na Zona Leste, Jardim Paulista, Iguatemi, e 8 na Zona Oeste, o que faz as investigações ficarem mais difíceis, pois demonstram não ter um lugar fixo para atacar.

Os policiais alertam para que homens evitem caminhar sozinhos de noite, e nunca reajam aos ataques. Também sugerem que usem roupas com cintos, ou mais justas, pois acreditam que ao ver uma roupa mais difícil de tirar, os estupradores podem preferir outra vítima.

E talvez com essa última informação, você deva ter percebido que isso é uma notícia falsa. Pra te fazer sentir por alguns segundos o medo que as mulheres sentem pela vida inteira.

Depois de algum tempo, os ânimos se acalmaram, e não se fala mais do assunto. Então a RexX retoma a campanha pelo fim da Cultura do Estupro. Se você sentiu um medinho, compartilha!

banner-gataurbana

Outras matérias nesse naipe

108 Comments

  1. Ambrosio 20 de outubro de 2016 at 09:57 -  Responder

    Que Delicia, Que região eles estão atacando?

    • adm 20 de outubro de 2016 at 10:40 -  Responder

      Vc é meio babaca, né!? Não sei se leu a matéria inteira, ou mesmo que não leu. Estamos falando de estupro. Por mais gay que seja, respeitamos isso, mas achar delícia um ato de violência imposto ao seu corpo, não é aceitável.

      • aaaa1234 21 de outubro de 2016 at 16:43 -  Responder

        Cara ele foi irônico com os comentários irônicos que as pessoas fazem sobre esse tipo de assunto…. tem que explicar ainda….

        • No 22 de outubro de 2016 at 16:51 -  Responder

          Não se ironiza esse tipo de assunto

          • Yes 24 de outubro de 2016 at 08:33 - 

            Hmm… interessante você falar isso quando a notícia em si é um tipo de sátira.

          • adm 25 de outubro de 2016 at 11:18 - 

            YES, acho que vc desconhece o significado de ironia e sátira.

      • Victor Franca 22 de outubro de 2016 at 18:26 -  Responder

        Toda razão, é ridículo, ninguém gostaria de ser obrigado a fazer sexo, imagina se os estupradores tivessem alguma DSt? Sou homossexual, mas violência nunca será prazeroso a quem sofre

      • Kaique 23 de outubro de 2016 at 00:23 -  Responder

        “mas achar delícia um ato de violência imposto ao seu corpo, não é aceitável.” Então as pessoas não tem direito de serem masoquistas ?

        • adm 23 de outubro de 2016 at 11:49 -  Responder

          O ato de violência a uma pessoa masoquista não é IMPOSTO, mas sim CONSENSUAL!

    • Gabriel Palheta 23 de outubro de 2016 at 19:03 -  Responder

      KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  2. Annie 20 de outubro de 2016 at 11:15 -  Responder

    Cara como depois de 28 casos a polícia ainda nao tem suspeitos?? 3caras e com imagens não passam despercebidos…cade o setor de Inteligência da PM? Tem q levar esses merdas pra cela de estuprador e deixa-los lateralmente se fudendo

    • Felipe Andrade de Sant’Anna 20 de outubro de 2016 at 20:45 -  Responder

      gata vc leu o texto todo?

  3. Paulo 20 de outubro de 2016 at 13:28 -  Responder

    Também sou gay. E acho ridículo alguns pensarem que o ato de estupro é bom. Não é cena de porno. Tem agressão física, moral, espancamentos, isso tudo com uma arma apontada.

    • Felipe Andrade de Sant’Anna 20 de outubro de 2016 at 20:45 -  Responder

      Tu leu o texto todo cara?

      • adm 20 de outubro de 2016 at 22:37 -  Responder

        Creio que ele leu, Felipe. O comentário dele foi em resposta ao primeiro comentário do post, do Ambrosio.

  4. Fernando 20 de outubro de 2016 at 14:54 -  Responder

    Pelo jeito ninguém leu os dois últimos parágrafos…

  5. Nayara Soares Gonçalves 20 de outubro de 2016 at 16:39 -  Responder

    Apenas leiam a matéria completa, por favor né gente!

  6. Lia 20 de outubro de 2016 at 17:09 -  Responder

    Idioticesss

  7. jhon silva 20 de outubro de 2016 at 19:13 -  Responder

    Suspeitei ser falsa, essa matéria desde o início.. Como de fato ê., confesso que senti um certo desconforto quando iniciei a leitura, realmente nos causa um medo… e nos faz realmente refletir sobre a questão, e digo mais… tudo que é forçado e imposto de maneira bruta.. e um absurdo…

  8. Carlos Soares 20 de outubro de 2016 at 21:21 -  Responder

    Está bem claro no final da matéria o propósito de fazer o leitor sentir o mesmo medo que as mulheres sofrem. De ser a próxima vítima, de não poder expor seu corpo e ainda ouvir de outros que a culpa é do vestuário.

    • Raiane Fernandes 23 de outubro de 2016 at 20:01 -  Responder

      Exato….foi um dos poucos que compreendeu de fato a notícia.

  9. Solange Pessoa 20 de outubro de 2016 at 21:22 -  Responder

    Hello é mentira eita preguiça de ler

  10. Micielle 21 de outubro de 2016 at 05:06 -  Responder

    Acho meio improvável eles quererem atacar uma pessoa que demostram gostar do ato acho que eles reparam bem a vitima pois gostam de sentir a dor e o gay ja e acostumado a sentir ou ate mesmo ja nao senti mais a dor anal muitos julgam o estrupo como que a mulher se mostra o corpo por usar roupas curtas mais na real nao é nao mesmo sendo homens mulheres ou gays ninguém merecem passar por isso nao fazer sexo contra a vontade é horrível

  11. Desconhecido 21 de outubro de 2016 at 05:07 -  Responder

    Sexo contra a vontade e a mesma coisa que comer sem fome

  12. Fernando 21 de outubro de 2016 at 05:57 -  Responder

    Eu qnd comecei ler eu pensei pronto fuderam os bandidos oq vai ter de viados passivos lokos por esta pratica que eles conssideram sorte por serem estrupados, vai ser uma legiao! povo sem nocao adora viverem feitiches arf…neste caso quem vai estrupar quem de tanto viado os bandidos nao vao dar conta… o povo vai frequentar mais os lugares parase fazerem de vitimas … depois vi era msis um truke kkkkkkkk.. blz entao valew ri horrores aqui com a materia antes de chegar no fim…

    • Lizzy 22 de outubro de 2016 at 00:58 -  Responder

      Esse teu comentário foi um tanto quanto preconceituoso em relação aos gays… Cara, ser gay nada tem a ver com libertinagem, se é q tu sabe o q é isso… Mas né, não vou entrar no mérito da questão…

  13. Linartt Carlos 21 de outubro de 2016 at 07:45 -  Responder

    Realmente bate um certo medo e pesar na consciência

  14. Gustavo Hubner 21 de outubro de 2016 at 08:20 -  Responder

    Achei interessante uma coisa. Conforme li o texto pensei o seguinte:
    1) vou levar minha arma quando for andar na rua. De preferencia acompanhado de um colega também armado.
    2) vou usar roupas mais difíceis de tirar como sugere o texto.
    3) vou evitar áreas muito escuras e andar sozinho à noite.
    4) vou reclamar da falta de segurança e policiamento.

    O que eu NÃO pensei:
    1) ser contra o porte de arma.
    2) vou usar um short mais curto ainda para correr porque eu decido o que usar.
    3) vou fazer passeata mostrando a bunda.
    4) reclamar que o estupro é por “cultural” e dizer que todos os homens são estupradotes.

    • Cauê Lorenzato 21 de outubro de 2016 at 14:20 -  Responder

      Até que você vai se cansar de precisar se esconder e ser diminuído e vai perceber que não precisa ser feminista, mas pelo menos pró feminismo. E vai parar de escrever babaquice na internet.

    • Fernando 21 de outubro de 2016 at 16:41 -  Responder

      Melhor comentario

  15. LUIZ VICENTE CHIAVERINI 21 de outubro de 2016 at 13:34 -  Responder

    ja pensou se fosse verdadE?????????????? a pergunta seria: o que essses homens estariam fazendo sozinho a noite e sem camisa???? mas ……

    • pedro 10 de novembro de 2016 at 12:10 -  Responder

      Sabendo dos estupradores na região, estão bpedindo pra ser estuprados…

  16. Mois ézs 21 de outubro de 2016 at 14:56 -  Responder

    Gostei, faz com que as pesoas reflitam mais e nao façam as vitimas se sentirem culpadas.

  17. chris 21 de outubro de 2016 at 15:00 -  Responder

    Sinceramente por um momento torci para que fosse verdade, pra assim, quem sabe, os homens serem mais empáticos e menos babacas quando o que você quer e somente segurança pra transitar na rua.

    • Algum 24 de outubro de 2016 at 21:15 -  Responder

      Torceu para ser verdade porque você é mais babaca do que os homens que você julga serem babacas.

  18. Ivan 21 de outubro de 2016 at 15:40 -  Responder

    Usar roupas justas e com cinto? Quando a gente sai pra correr ou malhar não dá pra ir de jeans não, tem q ser bermuda ou roupas levas. Como correr de jeans?

    • Mait 22 de outubro de 2016 at 03:09 -  Responder

      Situação vivida pelas mulheres diariamente.

  19. Ivan 21 de outubro de 2016 at 15:43 -  Responder

    Ah e falsa kkk também só podia neh kkk

  20. Zaca dos santos 21 de outubro de 2016 at 15:43 -  Responder

    Alguém leu o testo todo kkkkkk

  21. paulo 21 de outubro de 2016 at 17:34 -  Responder

    pessoal deixa o rapaz ser feliz ai kkkk!

  22. Eden 21 de outubro de 2016 at 20:29 -  Responder

    Eu vi que e falsa a reportagem,mas se fossee verdade,queria que todo estuprador pegasse uma vitima com aids ou com uma doenca dessas sem cura pra se fuder bem gostoso.

  23. Natalia Gonçalves 21 de outubro de 2016 at 20:34 -  Responder

    Bem feito 😉

  24. Tonico 21 de outubro de 2016 at 21:07 -  Responder

    Agora até homossexuais estuprando heteros?
    Em que mundo estamos!
    Porque quem gosta de comer homem também é gay.

    • Suiá 23 de outubro de 2016 at 12:55 -  Responder

      Vc leu o texto todo?

  25. Júlio Murta 21 de outubro de 2016 at 21:19 -  Responder

    Não é necessário criar um h0ax para causar medo na população. Esse medo já existe quando alguém, independente do sexo, sai de casa e sabe que pode ser assaltado ou morto. Mas ninguém fala em cultura do assalto ou do extermínio masculino (no Brasil 90% das vítimas de homicídio são do sexo masculino). É mais fácil aderir aos clichês do facebook e sair por aí posando de legal. Sempre foi, sempre será.

    • adm 21 de outubro de 2016 at 21:30 -  Responder

      Caro Julio, vc está certo quando diz que já temos medo de assalto, latrocínio etc, mas não temos medo de sermos estuprados. Nossa postagem teve o propósito de causar esse medo para refletirmos sobre a falada ‘cultura do estupro’. O propósito foi atingido com êxito. Fizemos em partes, um serviço para o bem!

      Aderir aos clichês do facebook é fácil. O difícil é ser criativo e causar emoções em um público tão volátil.

      Alguns são capazes de fazer o show. Aos outros resta aplaudir ou vaiar. É uma pena que vc vaiou, mas estamos bem felizes pois foi só você. Você faz parte de um ‘clichê de internet’ chamado hater! A gente chama de ‘mimizento’!

      • emi 25 de outubro de 2016 at 07:19 -  Responder

        melhor resposta!!!!!!!

        • Raquel 29 de março de 2017 at 15:18 -  Responder

          MELHOR RESPOSTAAAAAAAAAAA!!!!!

  26. Sidnei 21 de outubro de 2016 at 22:10 -  Responder

    Mano.. fiquei assustado, tava pensando em avisar até uma amigo meu pra tomar cuidado que mora próximo à região, mas de imaginar cara não tá td bem mesmo, inaceitável. Por leis mais rígidas e de prático funcionamento! Concientizadora ou não, isso pode acontecer a qualquer um! Chega de refletir e bora agir contra esse crime nojento!

  27. Marcos Land 21 de outubro de 2016 at 22:36 -  Responder

    porque chamar de mimizento out de hater é sempre fácil quando se está seguindo a grande massa, chamar de “cultura do estupro” uma perversão de uma minoria e xingar o outro quando indaga sobre já é uma baixaria e tanto, hein??

    • adm 21 de outubro de 2016 at 23:13 -  Responder

      Ta certo, brother… Vc é o cara! Valeu pela sua participação aqui em nosso humilde e simplório sitesite!
      grande abraço

    • PROFESSORA 22 de outubro de 2016 at 07:27 -  Responder

      Não é uma minoria. É difícil encontrar uma mulher que não tenha sido vítima de algum abuso na infância /adolescência por parte de algum padrastro, tio, vizinho, professor, etc… (mesmo que não se configure a conjunção carnal, isso acontece pq muitos homens acreditam que podem dispor do corpo feminino como bem entendem). A cultura do estupro não se refere apenas à conjunção carnal, mas à maneira como, em inúmeras atitudes, um homem pode ser sexualmente ameaçador para uma mulher – às vezes só em palavras – intimidadoras. Uma mulher andando na rua, cuidando da vida, indo ao banco, ao supermercado, à faculdade, sempre está exposta a ouvir barbaridades. Não precisa ser a mais gostosa do pedaço, não precisa estar vestida de forma provocativa. Já ouvi coisas sem noção estando grávida (e já bem barriguda) no parquinho, com um vestido longo, enquanto cuidava do filho mais velho. Era dia e estava cheio de gente ali, me pareceu óbvio que não aconteceria um estupro de fato, mas foi perturbador. E isso faz, sim, parte de uma cultura. Mulheres não fazem isso com homens, portanto… não é natural. É cultural. Agora, se os índices de violência afetam mais os homens, façam alguma coisa a respeito, como combater a cultura de associação entre agressividade e masculinidade, por exemplo. Não venham dizer que nosso problema não existe só por vcs terem que lidar com outro problema.

  28. Leandro Cristal Salles 21 de outubro de 2016 at 22:42 -  Responder

    sabe? acontecem vários tipos de merda que jamais vi na minha vida. agora essa de estuprar homens? essa daí pra mim é novidade. fiquei passado. depois dessa, nada mais me surpreende. cada uma

    • Suiá 23 de outubro de 2016 at 12:54 -  Responder

      Vc leu o texto todo?

  29. Larissa 22 de outubro de 2016 at 00:33 -  Responder

    Poxa fiquei com medo do meu irmão ser estuprado 🙁
    Não me assusta assim poxa. Eu realmente fiquei preocupada, mandei até mensagem pra ele avisando pra tomar cuidado e taus…
    Agora entendo o por que dos meus pais sentirem tanto medo de eu morar sozinha em outra cidade.

  30. Dayane Silva 22 de outubro de 2016 at 02:03 -  Responder

    Esse Julio é um cabeça de vento mesmo, a questão nao é apenas sair com medo na rua, ser assaltado é algo bem diferente de ser estuprada, o assalto é algo que te atinge no bolso e no estupro é algo que fere a sua alma. É muito facil fazer papel de babaca e falar essas besteira que vc disse e achar que isso é uma coisa normal quando isso nunca aconteceu com vc. Entao antes de vc vim comentar sobre algo que vc nao conhece, simplesmente nao comente. Seja menos idiota.

  31. Beatriz silva castro 22 de outubro de 2016 at 02:54 -  Responder

    Eu rir

  32. Mait 22 de outubro de 2016 at 03:04 -  Responder

    Logo abaixo da matéria havia uma propaganda de um site de pornografia com a imagem de uma bunda de mulher. Por favor, Rexx, a intenção vocês é boa, mas uma propaganda dessa logo abaixo da matéria pode fazer seu esforço ir por água abaixo.

    • adm 22 de outubro de 2016 at 10:10 -  Responder

      Talvez você tem razão, Mait, realmente o nosso anunciante pode trazer de volta a ‘objetificação da mulher’. Mas duas coisas precisam ser ditas a respeito:
      1- Não aceitaríamos o anúncio se fosse um site pornô. O Pussycats é um site bem bonito e limpo de pornografia.
      2- Embora acompanhantes colaboram para a ‘objetificação da mulher’, por explorar a imagem de seus corpos e tal, elas fazem por livre e expontânea vontade, e muitas vezes se impõem sobre um homem de maneira que outras mulheres não conseguem se impor.

      Seu ponto de vista é muito interessante e válido, nos colocou a pensar, mas concluímos que não afunde o nosso esforço, tendo em vista que muitos homens sentiram o medo que queremos que sintam qdo leram a matéria.

      Nosso objetivo é causar em nossos colegas o exercício da empatia com as mulheres. Pensar e sentir o desconforto que elas sentem por toda a vida, e acho que isso foi validado!

      Grande abraço, obrigado por sua opinião sincera e inteligente.

  33. Lea 22 de outubro de 2016 at 05:24 -  Responder

    Li a matéria toda e imaginei no meio dela , que essa era uma notícia falsa. Estava dando detalhes do estuprado, coisa que pouco jornal faz e quando falou da roupa do cara, usar calça apertada e cinto saquei logo. A ideia do site foi válida, mas bobinha! Homem estuprado…kkkkkk
    É meio impossível neh?
    Estupro é algo grave, muito grave, assim como a pedofilia. Pena de morte pra esses caras seria uma boa, porque o que esses bandidos fazem, não tem perdão, só a morte dá jeito neles.

  34. Daniel Barbosa (@dleian) 22 de outubro de 2016 at 07:17 -  Responder

    O que mais me impressionou, foram os “comentários” totalmente fora de questão. Como ainda tem pessoas assustadoramente IGNORANTES. Eita Brasilzão que vai demorar séculos para adquirir cultura e consciência coletiva…

  35. Amália 22 de outubro de 2016 at 07:40 -  Responder

    Impressionante como a notícia mexe com os sentimentos! Por alguns instantes também desejei que fosse verdade, uma vez que notícias assim sobre estupros de mulheres são uma constante, e infelizmente, verdadeiras. Me entristece profundamente perceber que alguns seres humanos não entenderam ou não quiseram entender a proposta da mensagem apresentada na falsa notícia! Parabéns aos idealizadores! Conseguiram provocar! Pena que nem todos entenderam.

  36. Lucas Ferreira 22 de outubro de 2016 at 08:17 -  Responder

    Baseado no comentário da Dayane, eu ainda segeriria criar um “relato” das vítimas falando sobre o trauma sofrido, para só então dizer que a notícia é falsa. O propósito seria o de conscientizar também o aspecto moral da humilhação sofrida, apesar de já o ter feito em parte.
    Abraço!

  37. Idevaldo Simão Cardoso 22 de outubro de 2016 at 08:31 -  Responder

    Parabéns pela postagem, muito criativa e conscientizadora.

  38. josex 22 de outubro de 2016 at 09:29 -  Responder

    quem discordar da opinião do autor quanto ao objetivo da matéria vai ser chamado de hater ou quem sabe mimizento. o site quis ser cool, diferentao e o mundo deve se curvar a seus pés.

    a narrativa foi bem construída, ao ler o texto vamos criando a cena em nossa cabeça e pensando que horror.

    pena que eh só um texto pra chamar cliques e likes.

    • adm 22 de outubro de 2016 at 10:02 -  Responder

      Caro Josex, consideramos ‘mimimi’ críticas sem fundamento, e haters quem comenta só pra criar discórdia. Só isso! Obrigado pela sua opnião.

  39. Eder 22 de outubro de 2016 at 10:54 -  Responder

    É impressionante a preguiça por leitura, são reflexos de uma sociedade que não possui o pensamento crítico, como deveria, assim, gerando fenômenos negativo em vários setores de nossa sociedade, bem como o tema colocado ao final do texto. Boa ideia, parabéns!

  40. vitória 22 de outubro de 2016 at 11:11 -  Responder

    As mulheres são estupradas e a culpa eh delas,nada diss quem q passar por iss sou mulher e mereço respeito ñ eh pq uso short q quero ser esputrada, ótima matéria.

  41. Juliana 22 de outubro de 2016 at 11:30 -  Responder

    Muito interessante a reportagem e sua intenção, Apesar de que mesmo a tentativa de fazer um homem experimentar o sentimento de uma mulher que é banalizada todo dia, não é o mesmo que vivenciar! A cultura do estupro é colocada em prática toda vez que um homem se sente no direito de se apoderar do corpo da mulher o bastante para agredi-la ao chama-la de gostosa na rua, ou achar que ela é obrigada usar a roupa que ele acha que ela tem que usar, ou atitude que tem que ter pra não ser considerada fácil ou periguete. O impressionante é ver como há homens em plena atualidade que precisam tratar mulheres assim ou cuspirem porcarias pela boca e pela mente para se afirmarem a masculinidade, ou se não fizessem ou diminuíssem as mulheres não seriam capazes de se sentirem homens o bastante. E parabéns aos homens que sabem respeitar e tratar bem, porque estes nada precisam provar e quem nada precisa provar sim, são grandes e valiosos homens e estão em falta!

  42. Rose 22 de outubro de 2016 at 12:12 -  Responder

    Se fosse uma mulher estrupada como na maioria dos casos alguns idiotas diriam que era culpa da mulher por usar shorts ou saias apertadas e agora serar que eles estao usando shorts ou calcas muito apertadas?

  43. Elias 22 de outubro de 2016 at 14:26 -  Responder

    O melhor da reportagem são os comentários daqueles que não leram o texto até o final.

  44. Anderson 22 de outubro de 2016 at 15:32 -  Responder

    Galera não lêem até o final. A notícia é FALSA é uma campanha para pensar sobre o medo pelo que as mulheres passam.Antes de começarem a se ofenderem leiam até o fim!!!

  45. Lucas 22 de outubro de 2016 at 19:30 -  Responder

    Não entendi ao certo a proposta do site. Em quê eu saber ou imaginar o que as mulheres passam pode ajudar a diminuir a incidência de estupro? O quê eu como homem posso fazer para acabar com o estupro?

    • adm 22 de outubro de 2016 at 21:17 -  Responder

      Você não estupra uma mulher só de pega-la e transar com ela a força. Como já dito em outros comentários, você a estupra quando olha pra qualquer uma descaradamente com desejo, quando xaveca fora de contexto, impõe certas ações… Enfim, nossa intensão não é acabar com o estupro feito por bandidos psicopatas, doentes, violentos. Mas acabar com o estupro diário que sem querer fazemos com nossas mulheres.

      • Gabi 24 de outubro de 2016 at 14:08 -  Responder

        Significado de Estupro
        s.m.
        Ato de forçar, de obrigar alguém, através de violência ou de ameaças, a praticar o ato sexual contra sua própria vontade: muitas mulheres sofrem com o estupro, mas têm medo de denunciar.
        Crime que consiste na ação de forçar alguém a praticar relações sexuais contra a sua própria vontade.

        Uma coisa eh assedio, outra eh estupro, se a ideia era essa,o seu texto esta totalmente fora de contexto..
        Nao acho que exista uma cultura do estrupro, acho que existem psicopatas e homens que nao respeitam as mulheres, mas o resto do mundo n deve ser tratado como culpado.. E quanto a parte do texto sobre frequentar lugares duvidosos semi-nua , isso ja eh ridiculo, eh a mesma coisa saber que um bairro eh perigoso e sair com seu Macbook na mao. Se eu que posso sofrer um estupro andando nas vielas da vida em certos lugares e horarios, eh minha obrigacao ter simancol e evitar situacoes de risco. A violencia existe! Se todo mundo tem que ter cuidado pra voltar vivo pra casa, porque eu ficaria pelada na rua para protestar contra a cultura do estupro?Serio,vai protestar por mais seguranca publica, por mais viaturas na rua,por mais educacao, que com certeza ira reduzir bem as taxas de estupro. (desculpe a acentuacao, teclado estrangeiro.)

        • adm 24 de outubro de 2016 at 19:22 -  Responder

          A “Cultura do Estupro” (não fui eu quem inventei) não fala do estupro em si. Fala de uma cultura machista, que acha que assédio é normal, que não enxerga o limite do aceitável, que acha que o ‘respeito a uma mulher’ que vc cita é um pouquinho além do que praticam.

          É um pouco diferente vc ser roubada ou ser estuprada ou assediada. Eu como homem acho que toda mulher tem o direito de andar com uma mini saia onde quer que seja (também acho que poderíamos usar nosso MacBook onde quer que fosse, mas isso é outra história, vamos uma coisa de cada vez).

          Eu sou homem, posso sair de casa (deixando meu iPhone pra não roubarem) e andar sem camisa por onde quiser. Me preocupa, vc, uma mulher, não reivindicar o seu direito de usar a roupa que quiser onde for (deixando seu iPhone em casa).

          Tem um texto muito legal (que provavelmente vc já leu, mas) vou compartilhar abaixo, para reflexão:
          https://trendr.com.br/como-foi-transar-com-uma-vitima-de-estupro-9210eea52090

          (a propósito, de uma pesquisada, é bem fácil configurar o teclado internacional de um MacBook)

  46. garotoestranhoblog 22 de outubro de 2016 at 20:48 -  Responder

    Engraçado e eles dizerem pra usar roupa justa pra dificultar o estupro. Aí tu usas roupa justa, é estuprado, e eles vão dizer : Quem manda usar roupa tão justa, tava pedindo pra ser estuprado”.
    Vai entender

  47. MARY 22 de outubro de 2016 at 23:53 -  Responder

    Trem ta feio viu kkkk Cruz nem os homi tão escapando deve ser uma lição pra quem gosta de estrupar mulheres por ai ,tinha q pegar era esses q estrupam mulheres e crianças

  48. Pensedenovo 23 de outubro de 2016 at 00:18 -  Responder

    A notícia parece absurda e chocante porque é com homens, se as vítimas fossem mulheres seria só mais uma notícia comum. Parabéns pela iniciativa, vai gerar bastante reflexão (apesar desses comentários ridículos e de as pessoas não lerem a matéria completa).
    Mas esse anúncio de “acompanhante” junto com a notícia… cagou tudo! Vamos combater a violência contra mulheres e ao mesmo tempo vamos vendê-las como se fossem objetos? Que mancada!

    • adm 23 de outubro de 2016 at 11:48 -  Responder

      Ola, Barbara. Como já respondido anteriormente:
      Nosso anunciante pode trazer de volta a ‘objetificação da mulher’. Mas duas coisas precisam ser ditas a respeito:
      1- Não aceitaríamos o anúncio se fosse um site pornô. O Pussycats é um site bem bonito e limpo de pornografia.
      2- Embora acompanhantes colaboram para a ‘objetificação da mulher’, por explorar a imagem de seus corpos e tal, elas fazem por livre e expontânea vontade, e muitas vezes se impõem sobre um homem de maneira que outras mulheres não conseguem se impor.

      Seu ponto de vista é muito interessante e válido, nos colocou a pensar, mas concluímos que não é uma mancada, tendo em vista que muitos homens sentiram o medo que queremos que sintam qdo leram a matéria.

      Nosso objetivo é causar em nossos colegas o exercício da empatia com as mulheres (inclusive as que trabalham como acompanhantes). Pensar e sentir o desconforto que elas sentem por toda a vida, e acho que isso foi validado!

      Grande abraço, obrigado por sua opinião sincera e inteligente

  49. Nadia Bayer Quase Paschoin 23 de outubro de 2016 at 00:25 -  Responder

    Muito inteligente a ideia da matéria, eu pensei que fosse verdade e automaticamente senti um desconforto enorme ao ler… faz refletir!!!

  50. Dayla Bandeira 23 de outubro de 2016 at 06:56 -  Responder

    Sim… senti muito medo pelos homens!
    Será que eles sentem o mesmo por nós mulheres?
    #NaoAoEstupro

  51. Rosângela de Oliveira 23 de outubro de 2016 at 07:45 -  Responder

    Independente do sexo se feminino ou masculino. O ato sexualidade tem quer ser consensual. Cada um é dono do seu corpo e da p/quem quiser sem força o outro se ele não quer.
    Tem que pegar os estupradrores e descer o porrete.
    Pronto falei!!!

  52. Jussuary Guimaraes 23 de outubro de 2016 at 08:57 -  Responder

    Cultura do estupro é a puta que pariu qiem inventou essa merda, a minha mãe criou um homem, se a de vc’s criaram babacas, o problema é de vc’s, só nao generalizem, e outra coisa, a maioria desses BOSTAS que ficam falandonsobra essa cultura de doentes, é a mesma galera que fica cantando “nós se vê por aí “…
    TMNC, bando de doentes

    • adm 23 de outubro de 2016 at 11:53 -  Responder

      Ninguém generalizou aqui, caro Jussuary. Se não rola com vc, ótimo, vc é dos nossos. Mas não venha ser agressivo aqui, sair xingando todo mundo só por que estamos debatendo algo que existe sim!! Sua mãe criou um homem, então mostre a nós que vc não é mal criado e é mais inteligente do que se mostrou em seu comentário cheio de iras gratuitas.

      RESPEITO, SEMPRE!!!

  53. Dann 23 de outubro de 2016 at 20:47 -  Responder

    Caramba gente mesmo sendo uma notícia fictícia, podemos observar que a situação é bastante simples e comum,poderia ser real…Pois julgamento sobre o estrupo em relação asexual mulheres sobre cai nos vestuário comum e cotidiano delas, poderia ser diferente ao homem acho que não pois estupro vai além do que está amostra e sim no intuito de viola o corpo do outro indivíduo…Isso é ser incapaz de imaginar o traumas que acarretar depois de um ato deste tipo ecoa na memória do ser humano no importa o sexo.E o descaso de isso ainda acontecerem e continua impunidade é algo inaceitável.Não só luta contra e sim mobiliza pois sociedade tem deve civil de ter nosso direito de ir e vir.Com segurança
    Lastimável monte de pessoas acharem que a culpa a vítima como o provocadores da situação.E tentar fazer com que tua roupa ou a maneira que você ande contribua para isso.Dar um basta nisso.
    Falo pois conheci dois caras e uma menina que passaram por isso e demoraram de se refazer até hoje ficam apreensão de ficar em lugares fechados.

  54. Hellen 23 de outubro de 2016 at 23:04 -  Responder

    Mas o bgl e falso ta nos ultimos paragrafos,devia ter imaginado
    C fosse mulher seria vdd

  55. Kiko 23 de outubro de 2016 at 23:43 -  Responder

    Não são só as mulheres que tem medo de estupro, pais, namorados, maridos, primos, tios todos eles tem medo de ver uma parente sofrendo qualquer tipo de agressão. Esse não é um tópico CONTRA os homens, ou de fazer os HOMENS sentirem-se culpados, quem estupra é estuprador, um bandido, marginal. Estupro não acontece de forma espontânea, ele é planejado, calculado.
    Cultura do estupro ? Procure isso no oriente médio, na nossa cultura o estupro é altamente rejeitado, desde a linchamentos até mesmo nas cadeias. O estupro não faz parte da cultura brasileira, o Brasil é simplesmente um país violento, de todas as violências.
    Imagine só que homens fazem parte de mais de 85% dos casos de homicídios, acredito que homens já sintam medo de sair na rua. Também fazem parte esmagadora das mortes causadas por acidentes em serviço, transito, etc.
    Não esqueça que homens são também vítimas de estupro, não em grande maioria como este caso fictício, sendo a maior taxa na prisão, ou pior em caso de estupro infantil contra meninos, números pouco pesquisados no Brasil.
    Tratar o problema do estupro é tratar o problema de violência no Brasil, é colocar medidas mais severas concentrar mais nas investigações, até porque existe um número considerável de casos falsos de estupro e não existe (só no papel) algum tipo de punição mais severa para a mulher. Até porque o mundo é tão machista, que duvida-se de uma mulher só em ultima caso.

  56. Maiza Gomes 24 de outubro de 2016 at 07:16 -  Responder

    Gente leiam a matéria inteira pelo amor né, se estão com preguiça de ler então leiam os dois últimos parágrafos aff preguiça de gente assim cara

  57. Yan 24 de outubro de 2016 at 09:22 -  Responder

    Seria legal eles virem me estuprar , eu iria encher a cara deles de tiro e mandar todos para o colo do capeta

  58. Silvana Maia 24 de outubro de 2016 at 10:16 -  Responder

    Leandro Cristal Sales, “gora essa de estuprar homens? essa daí pra mim é novidade. fiquei passado. depois dessa, nada mais me surpreende. cada uma”. Dito isso, podemos acreditar que vc acha normal estuprar mulheres???

  59. Cristiano Soares Gomes 24 de outubro de 2016 at 10:49 -  Responder

    A intenção é boa. Mas usar fotos de pessoas reais é arriscado. Como o alto nível de analfabetismo funcional da humanidade e pessoas que são incapazes de interpretar um texto, ou só lêem o título da matéria, os “fotografados” podem ser reconhecidos e perseguidos por algo que não fizeram. Mais responsabilidade!

    • adm 24 de outubro de 2016 at 11:35 -  Responder

      Cristiano, tomamos o cuidado de escolher uma foto que não dá pra ver os rostos, e ainda alteramos os rostos dos caras digitalmente. Os rostos que você (quase) vê na imagem, não são reais.

  60. liviams14 24 de outubro de 2016 at 12:38 -  Responder

    Muito interessante essa matéria! Boa estratégia 🙂
    Fiquei realmente preocupada com os homens, acredito que muitos homens vivem com essa preocupação pelas mulheres também, principalmente os que são pais. Acredito que algumas pessoas que estão comentando não entendem muito bem o que significa cultura do estupro.

    Primeiro que não se deve considerar essa “cultura” como algo específico do Brasil , ela é presente no mundo todo, inclusive em países mais desenvolvidos, como Estados Unidos, onde os estupros em festas de faculdade são muito frequentes.

    Outra coisa dizer que vivemos a cultura do estupro não quer dizer que todos os homens tem um comportamente inadequado ou que são todos estupradores!

    Apenas que existe uma certa aceitação frequente de alguns comportamente que “influenciam” muitos homens se sentirem no direito de cometerem violência contra mulheres, se aproveitar de seus corpos sem nenhum tipo de permissão. Exemplos vai desde o cara que intencionalmente se esfrega na mulher no ônibus lotado (enquanto a mulher assustada fica pensando “espero que esse tarado não me siga depois na rua e tente me estruprar”), fala obscenidades para a mulher na rua (mesmo o mais comum “gostosa” assusta muito uma mulher, nem sei se passa na cabeça dos homens, que falam essas coisas, o medo que a mulher ficar ao ouvir isso. A pessoa está quieta na dela, deixa a mulher andar na rua sem ser incomodada! ela tem o mesmo direito que você!) até coisas mais assustadoras como alguém passar a mão numa mulher sem nenhuma permissão (só porque a mulher está numa balada, não te dá o direito de puxar ela pelo braço, pelo cabelo, muito menos passar a mão no corpo dela, esses homens realmente acham que só porque a mulher foi dançar com as amigas ela quer ABSOLUTAMENTE qualquer um, em qualquer instante usar o corpo dela? Se a gente quisesse uma aproximação de um homem com certeza não seria machucando (quer ficar com ela vai se apresentar, conversar numa boa). Isso é um exemplo de “cultura do estupro”, e é chamado assim mesmo que não exista estupro porque demonstra pra mulher que o qualquer homem, em qualquer lugar, pode ser um estuprador. Não quer dizer que pensamos que todos homens sejam, mas que tememos pelo nossa segurança sempre, e esses comportamentos só servem pra nos assustar mais ainda, pois sabemos que o estupro é uma possibilidade.

    Lembrem disso quando aquele seu amigo sem noção falar algo inadequado na rua pra uma mulher, explique pra ele que isso não é certo, que isso assusta, que ele não tem o direito de tirar a tranquilidade de uma mulher… se você fizer isso, já vai ajudar muito! A polícia, as punições podem diminuir os estupros, mas o comportamento dos homens podem diminuir o medo constante que sentimos ou aumentar, a escolha é de vocês! Vamos ensinar nossos filhos e amigos que isso é errado!

    • adm 24 de outubro de 2016 at 12:41 -  Responder

      Muito obrigado, Livia. Respondemos em alguns comentários sobre isso, mas seu comentário foi bem completo e elucidado para estes que não entendem.

      🙂

  61. liviams14 24 de outubro de 2016 at 12:49 -  Responder

    Vixi obrigada vocês achei o texto muito bom! Ficou verossímil, apesar de ser incomum esse tipo de estupro, então o objetivo foi realmente alcançado 🙂 Quase que aviso meus amigos de são paulo antes de acabar de ler o texto! ahahha

  62. NaumEntendi 24 de outubro de 2016 at 15:48 -  Responder

    Eu só não entendi porque no final de uma matéria sobre a conscientização sobre o estupro tem um banner de propaganda de “acompanhantes de luxo” (pussycats). É ou não meio contraditório isso. Você tentar convencer uma sociedade machista de que o estupro é abominável (o que é mesmo!) e fazendo propaganda de mulheres nuas, acompanhantes, garotas de programa???

    • adm 24 de outubro de 2016 at 19:10 -  Responder

      Como já respondido anteriormente:
      Nosso anunciante pode trazer de volta a ‘objetificação da mulher’. Mas duas coisas precisam ser ditas a respeito:
      1- Não aceitaríamos o anúncio se fosse um site pornô. O Pussycats é um site bem bonito e limpo de pornografia.
      2- Embora acompanhantes colaboram para a ‘objetificação da mulher’, por explorar a imagem de seus corpos e tal, elas fazem por livre e expontânea vontade, e muitas vezes se impõem sobre um homem de maneira que outras mulheres não conseguem se impor.

      Seu ponto de vista é muito interessante e válido, mas concluímos que não é contraditório, tendo em vista que uma coisa não tem nada a ver com outra.

      Nosso objetivo é causar em nossos colegas o exercício da empatia com as mulheres (inclusive as que trabalham como acompanhantes). Pensar e sentir o desconforto que elas sentem por toda a vida, e acho que isso foi validado!

      Grande abraço, obrigado por sua opinião.

  63. Eleni Guatura 24 de outubro de 2016 at 18:46 -  Responder

    Bom texto! Ideia boa essa! Causou reações diversas.

  64. Justo 24 de outubro de 2016 at 23:45 -  Responder

    Pra quem não leu, o site parte da premissa (errada ao meu ver) que se existe uma cultura de estupro. Nõ! Mil vezes não! No Brasil há uma cultura de IMPUNIDADE. Qualquer que seja o crime.
    Matéria infeliz e com pitadas sexistas. Brincando com coisa séria.

    De fato,infelizmente muitas mulheres e até mesmo os homens sofrem algum tipo de violência sexual. Nos EUA inclusive há mais homens sendo estuprados na cadeia do que mulheres na rua!(dados da human rights Watch). Cerca de 40% a mais! E antes que pensem “ahhhh mais ele é criminoso e merece”, saibam que as coisas não funcionam assim.
    Não há um “privilégio”(pelo amor de Deus, o privilégio no caso é irônico hein) das mulheres no estupro. Violência é violência e na nossa sociedade, ambos os sexos sofrem!

    Já que a matéria está tão preocupada com a igualdade, poderia fazer algum texto sobre isto que eu falei….Ou entao dizer que os homicidios masculinos que representam 80%, ou então falar um pouco sobre a violência doméstica que homens sofrem e que está crescendo no Brasil, mas é tratada como piada ainda. E que eles não podem nem tentar denunciar isto pois são satirizados. E quando sofrem(acreditem, não são raros os casos), eles além de ficarem quietos, não contam com nenhum tipo de proteção especial.Poderia falar que a maioria esmagador dos suicidios é cometida por homens, assim como mortes acidentais no trabalho(aliás, os trabalhos pesados e arriscados são exercitos quase que na totalidade por homens). E por aí vão outros exemplos.

    Essas reportagens que pregam igualdade NUNCA retratam privilégios e benefícios dos quais os grupos que elas defendem detém. Se quisessem realmente igualar algo, não omitiriam o que eu falei em seus textos.

    É muito bom você tratar das ” desigualdades dos desiguais ” quando você é o dono da régua.

    Movimentos políticos já entenderam a estratégia de usar as chamadas “minorias” que são na verdade uma parte da população usada como massa de manobra. Não caiam nestas armadilhas…

  65. CARLOS 25 de outubro de 2016 at 00:29 -  Responder

    O BRASILEIRO TEM QUE SE LASCAR MESMO PARA DEIXAR DE SER TROUXA . UMA NAÇÃO REPLETA DE IMBECIS QUE ACEITAM TUDO CALADO , TINHA QUE TER PORTE DE ARMA INDIVIDUAL PARA QUANDO CHEGASSE UNS BANDIDOS DESSES ESTOURAR A CABEÇA DE TODOS COM TIROS DE AMOR !!

  66. marcoscruz 25 de outubro de 2016 at 10:14 -  Responder

    Avisa para o redator que o termo correto para homens é abuso, nao existe estupro em homem até porque ânus não é órgão sexual, o termo é Gangue abusa de homens, fica a dica.

    • adm 25 de outubro de 2016 at 10:56 -  Responder

      O redator foi avisado, e riu! Quem te falou essa besteira, rapaz!?

      O que define o ato é o ato em sí e não a parte do corpo onde é realizado. Temos sexo oral, sexo anal, e mais um monte de tipo de sexo. Explore mais o seu corpo, vai ser feliz e para de falar besteira na internet!

      ‘Fica a dica’

  67. André 26 de outubro de 2016 at 06:21 -  Responder

    Cara, faz um texto pro fim da cultura do estupro, e após o tecto tem uma propaganda de puteiro com uma foto de uma b*u*n*d*a???
    Hipocrisia é pouco!!!

    • adm 26 de outubro de 2016 at 10:25 -  Responder

      Como já respondido anteriormente:
      Nosso anunciante pode trazer de volta a ‘objetificação da mulher’. Mas duas coisas precisam ser ditas a respeito:
      1- O site não é de um ‘puteiro’ como vc diz. É um site onde as meninas anunciam seus trabalhos por livre e expontânea vontade.
      2- Não aceitaríamos o anúncio se fosse um site pornô. O Pussycats é um site bem bonito e limpo de pornografia.
      3- Embora acompanhantes colaboram para a ‘objetificação da mulher’, por explorar a imagem de seus corpos e tal, elas também o fazem por livre e expontânea vontade, e muitas vezes se impõem sobre um homem de maneira que outras mulheres não conseguem se impor. O que torna a atividade delas algo totalmente distinta do que chamamos de estupro.

      Concluímos então que não é hipocrisia. Nós temos nossa filosofia, muito exata. Ser contra a ‘cultura do estupro’ não nos torna homossexuais. Continuamos gostando de mulheres (A base de nosso site é fotos de belas mulheres), mas com a diferença de que sabemos respeita-las, seja qual for a profissão delas.

      Nosso objetivo é causar em nossos colegas o exercício da empatia com as mulheres (inclusive as que trabalham como acompanhantes). Pensar e sentir o desconforto que elas sentem por toda a vida, e acho que isso foi validado!

      Grande abraço, obrigado por sua opinião.

  68. antonio rego 27 de outubro de 2016 at 07:41 -  Responder

    Mano… Que lixo de matéria. “usem roupas coladas e nao reajam aos ataques”. Quero saber quem alguma vez falou para as mulheres nao reagirem ao estupro. Meu amigo, foda-se a roupa da mulher. Ela pode tá de freira, o marginal estuprador não quer saber. Esse negócio de “cultura do estupro” tá ultrapassado, esse site parou no tempo? Que lixo! Fica generalizando os homens. Vão toma no cu dw voces.

    • adm 27 de outubro de 2016 at 09:54 -  Responder

      Você sabia que o analfabetismo funcional atinge 94% dos brasileiros? Pois é…

      Enfim, voltando ao assunto… Por que ficou tão nervosinho, amigo!?

  69. Adriano B 4 de janeiro de 2017 at 20:56 -  Responder

    Eu já estava até pensando em ir a Ribeirão Preto para ser estuprado por eles! Sonho em ser pego por caras como eles!

Comente!

Outras matérias :: recentes

  • Gangue estupra homens em Ribeirão Preto – SP

    Ribeirão Preto, no interior de SP, tem registrado mais de 40 casos de estupros de homens por uma quadrilha.

  • Breaking Bad

    Uma das séries mais loucas já produzidas.

  • Kristina Love

  • Steve n Seagulls – ACDC cover

     

Veja também :: post aleatório

  • Embalado a vácuo

    (sugerido por Tio Dino) [nggallery id=vacuo]